sexta-feira, 25 de março de 2011

Espiritismo o melhor caminho? Parte 1

POR QUE ESPIRITISMO?
Aguinaldo José Duarte
1. INTRODUÇÃO
"Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem não crê em Deus, o

faz mentiroso, porque não crê no Testemunho que Deus deu a respeito deseu Filho. E oTestemunho é este: Deus nos deu a vida eterna e esta vida estáem seu Filho. Quem possui oFilho, possui a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida." (1Jo 5:10-12)

O objetivo deste estudo "POR QUE ESPIRITISMO?" é resgatar, é procurar trazer devolta para os caminhos de Cristo, todos aqueles nossos irmãos que, desconhecendo totalmenteo Evangelho de Jesus Cristo e o poder de Deus, foram e são enganados pelos conceitos dasdoutrinações espíritas; e hoje, mergulhados na escuridão das trevas e ausência de Deus,acreditam, inocentemente, que seguem o mesmo caminho de Jesus, quando, na realidade,cultuam os espíritos das trevas, aqueles que, por sua soberba e liderados por Lúcifer, Príncipedas Trevas, foram todos derrotados por Deus e assim afastados definitivamente da sua glória eda sua presença.

Quando alguém é picado por uma serpente, é medicado com o antídoto extraído daprópria serpente. Assim também foi concebido este estudo: utilizamos citações dos próprioslivros doutrinários do espiritismo e, fundamentados nas revelações da própria Palavra deDeus, a Bíblia, apresentamos as falsas interpretações espíritas.
“... quem não crê em Deus, o faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus
deu a respeito de seu Filho...“

Disso temos certeza: pelos conceitos doutrinários contidos nos livros consultados, nemAllan Kardec, nem Carlos Embassahy, nem Luís de Matos e os demais autores espíritas,acreditaram no testemunho que Deus deu a respeito do seu Filho Jesus. Por isso, com relaçãoaos ensinamentos bíblicos, esses homens não merecem crédito nem seguidores, poisafrontaram diretamente a Deus.

Neste momento, rogamos de coração ao nosso Deus e Pai, que pela ação do EspíritoSanto, conceda discernimento aos doutrinadores que ainda vivem, para que eles confessem depúblico a Jesus, como único caminho que nos conduz ao Pai, e peçam também perdão a Deuspelo estrago espiritual que já provocaram em milhares de almas, pois só assim participarãoum dia do Reino de Deus e da Sua Eterna Glória.Amém.

2. A ORIGEM DO ESPIRITISMO

O pensamento religioso budista da Índia, dissensão do hinduísmo e do Bramanismo,baseia-se no SAMSARA, isto é, o ciclo infinito de nascimentos, mortes e reencarnações dosseres vivos no mundo transitório. A retribuição das ações cometidas, boas ou más, ou seja, oKARMA, é que determina o lugar de cada reencarnação, numa escala hierárquica onde incluiseres humanos, deuses e demônios infernais, fantasmas, animais, plantas e minerais.

Segundo o Budismo, a vida é, ao mesmo tempo, a continuação de vidas anteriores e apreparação de vidas futuras, onde o reencarnado pode passar por diversos estágios ondereceberá, passivamente, o fruto de seus atos.

A única salvação deste ciclo infinito é chegar a um estado chamado NIRVANA (evasãoda dor). Mas somente a minoria sábia pode saltar do Samsara para a salvação, enquanto amaioria dos seres continuará no seu ciclo.

A influência da filosofia oriental, principalmente o pensamento ateísta-agnóstico doBudismo, foi o caminho espiritual que inspirou muitas formas religiosas no oriente e noocidente, onde o homem é apresentado como um ser iludido pelas paixões e interesses
mundanos, podendo entretanto alcançar níveis de perfeição que o libertem da seqüência de
reencarnações que o prendem à vida.

Assim sendo, em meados do século XIX, a corrente espírita iniciada nos Estados Unidose consolidada na França, através da formulação de Allan Kardec, coincide não só com asconcepções do mundo de inspiração hindu, como também com as seitas concebidas naAntigüidade, uma vez que a preocupação em manter contatos com os espíritos dos mortosfazia parte das práticas religiosas dos egípcios, caldeus, gregos e romanos.

Já naquela época praticava-se a "magia branca" e a "magia negra".Quando alguémprocurava entrar em contato com os espíritos dos mortos na intenção de ser beneficiado ouinfluenciado por eles, tinha-se a "magia branca" e, em caso contrário, tinha-se a “magia negra”.

O Egito, país que deu ao mundo como herança macabra o "Livro dos Mortos", tambémbase dos conceitos espíritas atuais, possui em toda a sua arte, literatura, ciência e religião,profundas influências nas crenças espíritas.

3. O QUE É ESPIRITISMO

A crença de que os espíritos dos mortos "se comunicam" com os seres humanos,constitui a base da doutrina espírita. 0 que hoje se chama Espiritismo, na Antigüidade e naBíblia é conhecido como Necromancia. 0 que hoje é médium, na Antigüidade e na Bíblia éconhecido como necromante, feiticeiro (a), pitonisa. 0 que hoje conhecemos por centroespírita, na Bíblia e também na Antigüidade era conhecido por tenda ou caverna.

A comunicação com os mortos na busca incessante de "evolução" espiritual no além,onde os espíritos 'tomam emprestado" o corpo das pessoas, e a prática da caridade eorientação nos ensinamentos espíritas, enquanto os próprios "espíritos" aguardam o momentoda sua reencarnação, para, através do sofrimento, pagar os erros cometidos em outrasencarnações ou se aperfeiçoarem através da prática da caridade, constituem a base dosensinamentos apresentados ao mundo pelo ex-professor francês León Hippolyte DenizartRivail, maçon do grau 33 junto à Grã-Loja Escocesa Maçônica de Paris (segundo lê-se em"As Grandes Religiões" - Ed. 1 9737 50 vol., pá<Y,. 916), que jurou ter sido um guerreirodruida em outra encarnação, de nome Allan Kardec.Talvez venha daí a profunda influênciados princípios maçônicos sobre a doutrina do kardecismo.

León Hippolyte adotou o nome de Allan Kardec, que, em 1857, ao lançar o "Livro dosEspíritos", deu início A doutrina espírita, pois essa obra passou a ser considerada como umaespécie de "bíblia" do espiritismo.
Pouco tempo após seu lançamento, milhares de pessoas começaram a se interessar pela
existência dos espíritos e a tentar "entrar em contato" com eles.

Kardec escreveu mais seis livros, todos considerados também fundamentais para adoutrinação espírita: 'O que é Espiritismo", o "Livro dos Médiuns", 'Céu e Interno", o"Evangelho Segundo o Espiritismo", "A Gênese" e "Obras Póstumas".

4. EVOLUÇÃO DO ESPIRITISMO NO BRASIL

Foram responsáveis pelo aparecimento das crenças espíritas no Brasil, além doscolonizadores portugueses, que apesar de católicos, trouxeram a crença na bruxaria européia,os indígenas que aqui já moravam, com suas crendices e superstições, e os negros africanosvindos para o Brasil, como escravos.
Vários são os fatores apontados por estudiosos como causa da aceitação, evolução e
propagação das práticas espíritas no Brasil.Entre esses fatores, destacam-se:

a) A crendice e superstição reinantes em milhares de brasileiros que encontram nosamuletos, talismãs, patuás, rezas fortes, etc., quase sempre pendurados no pescoço ou emalgum lugar de destaque em suas casas, verdadeiros protetores de todo e qualquer mal.

b) A herança recebida da crendice e superstição dos colonizadores portugueses,responsáveis pelo sincretismo religioso, fruto da união das crenças dos escravos africanoscom seus ídolos e vodus, e da adoração excessiva e paganizante das imagens e crendices aquitrazidas.

c) Lastimável quadro de pobres e indigentes que vivem á margem da sociedade e que,em troca dos recebimentos e favores vindos de atividades filantrópicas, tais como adistribuição de alimentos em vias públicas, visitas e assistência a creches, abrigos para idosos,etc., aceitam as doutrinações espíritas, enquanto seus anseios estão sendo saciados.

Por outro lado, aqueles que realizam essas atividades, não as considerara comoconseqüência espontânea de amor ao próximo e de um ato de justiça, como assim nos ensinouJesus Cristo, mas na intenção de se "aperfeiçoarem" através dessa prática e assim reduziremseus sofrimentos nas "encarnações" futuras.Daí a grande diferença entre caridade e filantropia.
Porém, entre os fatores também estudados, dois merecem destaque como sendo os
responsáveis no poder de persuasão para atrair novos seguidores.São eles:
a) "Você é médium: preciso desenvolver sua mediunidade."
É o que repetem milhares de espíritas a pessoas curiosas, oprimidas, doentes ou
possessas, que procuram terreiros e centros espíritas em busca de "ajuda".
Este é o grande laço do passarinheiro, segundo a Palavra de Deus no Livro dos Salmos 91.3:
"Pois Ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa"
b) "A saudade dos parentes falecidos."
Muita gente fica curiosa ao ouvir dizer que um parente seu "baixou" durante uma sessãoespírita e, 'incorporado" em um médium, confessou que desejaria conversar com algunsparentes vivos. Há inclusive casos de famílias inteiras, movidas pela curiosidade edesconhecimento total do Evangelho de Cristo que tornaram-se praticantes do espiritismoapós haverem recebido um desses "recados do além".
Os mortos não voltam. É o que nos revela a Bíblia.Se os mortos voltassem Deus não
teria permitido que na Bíblia fossem registradas as palavras de Davi em IISm 12:22-23:

"Vivendo ainda a criança, jejuei e chorei, porque dizia: quem sabe o Senhor secompadecerá de mim e continuará viva a criança? Porém agora que é morta,porquê jejuariaeu?Poderei eu fazê-la voltar?Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim."

Se constasse entre os desígnios de Deus a liberdade dos mortos comunicarem-se com osvivos e vice-versa ou a possibilidade de reencarnação, não estaria também registrado na Bíblia:
"Aos mortos está ordenado morrerem uma só vez e, depois, o juízo." (Hb 9:2 7)

A Bíblia, através do ISm 28, nos relata um caso de necromancia envolvendo o rei Saul ea pitonisa de Endor, onde Saul é morto como castigo de Deus por ter consultado umanecromante, que predisse sua morte e a de seus filhos para o dia seguinte, onde seriam mortospelos filisteus.
Quando analisamos os capítulos seguintes do Livro de Samuel, observamos que as
predições da pitonisa ou médium foram uma farsa:
a) Em 1Sm 31:14, narra o suicídio de Saul.Logo, ele não foi morto pelos filisteus.

b) 0 1Sm 31.8 desfaz a predição da pitonisa, pois assim narra este texto: "Sucedeu poisque, vindo os filisteus no outro dia a despojar os mortos, acharam Saul e seus três filhoscaídos no monte Gilboa.
c) Em I Sm 31:2, narra que os filisteus mataram Jônatas, Abinadab e Melquisua, Filhos
de Saul.
Não foram todos os filhos de Saul que morreram, conforme predisse o "espírito" à pitonisa.
d) Pois assim está escrito em IISm 2:8-9:
"Entretanto Abner, Filho de Ner, chefe do exército de Saul, tomou Isboset, filho de SauI,

e levou-o a Maanaim, onde o declarou rei sobre Benjamim, Efraim.....e todo o Israel."
Só a Deus cabe o dom da revelação através do Espírito Santo, a todo aquele que Ele
quiser revelar, segundo a Sua vontade, para honra e glória do Seu nome.

Tem muita gente enganada acerca do espiritismo.Os doutrinadores espíritas, paraatraírem pessoas que não conhecem o poder de Deus pela leitura da Bíblia, falam em Nomede Jesus e afirmam que Espiritismo e Cristianismo são a mesma coisa.Dizem, inclusive, quejamais se afastam dos ensinamentos de Jesus.
Isto se constitui numa afronta a Deus, pois Ele mesmo nos revelou em ITm 4.1: "Mas o
Espírito diz expressamente que nos últimos tempos alguns apostarão da fé, dando ouvidos a
espíritos enganadores e a doutrinas de demônios."

A verdade é que Allan Kardec codificou todo um sistema de doutrinas contrárias aoensinamento bíblico e ao próprio Jesus Cristo. 'Todas as doutrinas espíritas, sem exceçãonegam a verdade contida na Bíblia.

Milhares de brasileiros que ainda não alcançaram a mensagem do Evangelho de Cristo eque permanecem angustiados e decepcionados por não verem seus desejos e necessidadessaciados, segundo seus anseios particulares,e ainda mergulhados na superficialidade dos seusvelhos conceitos sobre Deus, deixam-se envolver com correntes ou tendências espíritasexistentes neste país e ainda continuam, infelizmente, alimentando-se, como na Parábola doFilho Pródigo, das bolotas que os porcos comiam (ver Lc 15:16) e deixam de lado o imenso eglorioso banquete celestial que Deus nos oferece.

Porém, muitos deles, no fundo de seus corações, mesmo que a isso queiram ignorar, seus
espíritos estão famintos e desejosos do verdadeiro Pão da Vida descido do Céu - Jesus Cristo.
O inimigo de nossas almas, cuja existência é negada pelos espíritas, aquele que, segundo
a Palavra de Deus pelo profeta Isaías, foi derrubado ele e seus anjos do alto de sua soberba (Is 14:12-15), vem mantendo milhares de seres humanos mergulhados na confusão e escuridão das práticas espíritas, pois ele também quer ser cultuado como Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário